12 de novembro de 2007

Retrato de uma desculpa


Muito bem, mais uma vez sozinho com meu cigarro, gritando por dentro, pedindo para que saia, pedindo para que respire mais uma vez e que depois morra para que seja eternizado, é assim que escrevo, dou vida aos meus sentimentos só para poder mata-los mais tarde em forma de poesia que viraram imortais páginas.
Vejo uma guerra de trincheiras, daquelas que nos escondemos em buracos e atiramos, esperando que o tiro acerte em alguém para poder vencer a batalha.
Aperto o gatilho da vida esperando atingir o papel, porém, tudo que consigo ver são as páginas em branco que nem ao menos pude rasurar.
Meus pensamentos gritam por liberdade,
Embriagado na inércia só vejo linhas escritas nos meus sonhos.
Me falam de alma,
Me falam de futuro,
Me falam de coisas que eu não consigo entender por não conseguir dar vida aos mais sinceros e límpidos poemas.
Espero a cada segundo a cada instante, escuto minhas musicas mais nada a ver esperando escrever algo nada a ver para que você possa ver que tem tudo a ver com o que você está sentindo.
Escrevo meus desabafos vivos que vão morrer depois de escritos para que você possa se sentir útil de novo.
O que fazer nessa prisão de idéias?
Como conseguir escapar dos demônios que estão a minha volta?
O que fazer nessa batalha contra mim mesmo?
Quero escrever,
preciso escrever para assim me sentir vivo novamente.
Enquanto isso só vejo uma solução.
Acenderei outro cigarro.
Me viciarei em nicotina e irei esperar pensamentos vivos para que eu os possa martirizar em versos tristes que irão alegrar seus dias.


Ass: Diogo Coelho

Um comentário:

Bruna disse...

esse sem duvidas é o melhor texto que vc ja escreveu ate hj!!!
ta completamente diferente de tudo q vc ja escreveu e mais claro...por isso q eu amei!!!
adoro vcccc loveeeee
bjos