27 de fevereiro de 2008

Parfum


Porte sua elegância que dança com os ombros ligeiramente inclinados, para mim, em particular.
Clara, como meus olhos, que lhe vislumbram em seu perfume, penetrante, inebriante, que me rouba o nexo dos meus casos, já que ele me faz respirar suas palavras que podem ser quaisquer, que impulsionariam minhas pernas cambaleantes, refletidas em seus olhos, sim, deveras, penetrantes.
Alcance seus dedos em mim, acariciando de leve o que eu ouço em você, para que eu possa subir, de novo, ou para que eu possa, até, quem sabe, encarnar o personagem principal dessa peça de giros, voltas, que me fizeram te ter, proferindo (será?) as minhas verdades fúteis e curiosas, à minha musa (você) inspiradora.

Ass: Pedro Gazzinelli

Um comentário:

mariana disse...

....simplesmente....lindoo!!!