1 de outubro de 2007

Só mais uma história de conto de fadas



Só mais uma historia de conto de fadas,
eu e você
a história sem fim,
o bem e o mal.
E lá no canto do jardim uma flor de lotos querendo abrir
Caminho por entre cajueiros com troncos torcidos
Meus pesadelos continuam me perseguindo
Será que esse será mais um final feliz?
Você chega e eu percebo que não a diferença entre a razão e a emoção...
Um é a vida o outro é o querer viver,
sentados no banco do parque jogando milho aos pombos,
esperando nitidamente que algo melhor lhes aconteça,
Sem bruxas malvadas, aonde o único mal é o meu querer demais....
E lá no canto do jardim uma flor de lotos querendo abrir......
Imploramos pelos cuidados de Vênus,
sabendo que nunca iremos ter a serenidade que almejamos
Você, mais linda que a Deusa do amor desperta inveja
E eu já estou no fim da minha jornada, no fim da escalada,
E por isso rezo a cada dia para que você não seja castigada por amar demais
Não que eu irei morrer, mas irei dormir profundamente dentro de meus sentimentos
E não saberei a hora de acordar!
E lá no canto do jardim uma flor de lotos querendo abrir
Queria ter asas para poder voar e além do horizonte poder cantar
Todos os anjos escutarão o que passei para ouvir o mel da sua voz
E o cheiro de rosa vindo do seu perfume
Mas como não tenho, me contento em te comparar
com o brilho do sol,e a luz das estrelas
Chego ao ponto de achar que perdi minha sanidade
Começo a parar de enxergar o que está na minha frente
E começo a enxergar o que está no meu coração
E lá no canto do jardim uma flor de lotos querendo abrir
E agora eu vejo que a “dança do meu diabo com o seu demônio
no túmulo do violinista está longe de acabar”,
Quero sempre mais do que posso ter, busco sempre a finitude do meu infinito
Mesmo sabendo que andar em círculos não me levará a canto nenhum
Me diz como, por favor apenas me diga como fugir desse ciclo vicioso do amor?
E lá no canto do jardim uma flor de lotos querendo abrir
Está na hora de te proteger, mas para isso acontecer me falta forças
O seu bem depende do meu mal, e o meu mal depende apenas de mim
Será essa a duvida que perpetua os poetas? Será por isso que todos estão mortos?
O fim está próximo e espero sinceramente que para isso acabar possa te despertar
Te levantar com um beijo, ser realmente um cavalheiro que salva a sua donzela
E lá no canto do jardim uma flor de lotos querendo abrir
As vezes me imagino em um quarto com apenas uma mesa e uma cadeira
Sentado ali, com meu cigarro tentando não chorar por ter feito o que fiz
Esperando a qualquer hora que você entre e me tire dessa rua da solidão
Não que você tenha me deixado, mas sim porque eu me tornei invisível para você
Não que você não me veja, pelo contrário, você me possui igual nunca,
E é por isso o meu desespero, por você me possuir, eu já não existo mais
E lá no canto do jardim uma flor de lotos querendo abrir
A completude que era nós, hoje se tornou você, o futuro que sonhamos ontem
Hoje já é o passado do amanha e é isso o que me atormenta
Estamos juntos, tão juntos que acabamos separados por nossos egos
Temos a certeza do para sempre, temos a visão do agora
e eu vejo o quanto estou com medo dessas coisas
Não posso mais crescer, vivo uma vida eterna envelhecendo na frente do espelho
E lá no canto do jardim uma flor de lotos prestes a se abrir
Estou desesperado, tomei a decisão mais difícil da minha vida
Decidi a me decidir entre eu e ela
Escolhi ela, por isso vou ter que transforma minha vida em um vento norte
e me deixar levar pelos caminhos do mundo
Cansei de ser pequeno, cansei de chorar em vão e não ter coragem de tomar a decisão
Deixei de ser seu cárcere privado e passei a ser sua liberdade
As coisas podiam ser diferentes, eu poderia ter sido um covarde e ter permitido que você estivesse na jaula dos leões no meu lugar,
poderia ter deixado você perceber que o amor nos aprisionou
poderia ter feito como diz o poeta morto que chora pela ausência de sua amada
Que clama por ela ter o deixado, mas apesar do seu sofrimento sabe que a culpa não foi sua
“Ai de mim, meu amor, você diz adeus!
Limpe o veneno da minha fronte.
Ai de mim, meu amor! Esta noite criminosa
Abandona-me como a uma criança adotiva.
E no momento em que eu faço minha promessa,
Estes anjos adormecem aos meus pés.
Neste momento você nem sabe o quanto
O meu espírito quer fugir."
Um homem, lutando contra a noite,
Suportando multidões sobre si,
Ele havia deixado sua glória e se esvaziado.
Nenhuma vigilante vela ardente
Poderia iluminar o caminho,
As trevas golpeiam a terra
Como uma estrela cadente.
Ele luta até o amanhecer
Contra o seu próprio espírito
E contra anjos das trevas”
E lá no canto do jardim uma flor de lotos prestes a se abrir
Levanto os olhos para ver o que restou do desespero de minha amada,
Mal sabe ela que o desesperado sou eu,
é como se eu estivesse em cima do meu coração
e meu coração em cima de cacos de vidros
e eu com meu peso cortando ele cada vez mais para sangrar
E clamo para que ele pare de bater,
mal sabe ela que o sofrimento é meu,
o sofrimento sou eu,
ela sente apenas uma tristeza momentânea
E lá no canto do jardim uma flor de lotos prestes a se abrir
O cintilar dos astros mais belos do mundo posso sentir nesse momento em minha vida
Pela primeira vez se sentiu liberto, numa sensação de dever comprido
O dia sempre amanhecia junto a batida das ondas do mar nos rochedos
Naquele dia o sentido da vida fez sentido....
A flor de lotos se abriu!!


Ass: Diogo

2 comentários:

pedro disse...

Ficou realmente Muito Bom!
Mesmo!
Muito bom!!

Cris disse...

Lindo demais.
Eu não tinha lido este ainda e gostei muito, como sempre.

Fico horas lendo aqui!

Beijos