18 de janeiro de 2009

Egoísta



Sempre que busco um sonho estou tentando realizar um desejo pessoal meu, me torno egoísta com isso, afinal, até que ponto os fins justificam os meios?
Não tenho muita empatia pelas pessoas, na verdade na maioria das vezes me considero boa demais pra elas, ou as considero burras demais para mim, me apoio então no que tenho de melhor, as palavras, acho que graças a elas não me torno um completo sozinho.
Adoro a solidão, mas adoro ficar sozinho rodeado de pessoas, aquele tumulto insuportável, problemas ridículos, mas é isso que me faz perceber que estou vivo.
São melhores que eu, luto pelos meus sonhos e as vezes essa luta põem você no meio, acaba sobrando para você, até aonde ser egoísta é errado!? Só estou realizando o meu sonho, o meu ego.
Imagine um solitário que sente falta de pessoas em quem confiar perto, mas não quer se aproximar de nenhuma, imagine uma longa caminhada por uma estrada infinitamente comprida (a vida) sem ninguém para conversar?
Amigos, coisa difícil de definir, afinal, são aqueles que podemos contar ou são aqueles que contam com a gente!?
Mas como que alguém pode contar comigo se no fim das contas eu gosto mesmo é de ler meu livro e me deliciar em tragédias gregas das quais os amigos sempre fazem parte.
Que o diga Alexandre Dumas: Edmond Dantes x Fernand.

Ass: Diogo Coelho

Um comentário:

KAROL disse...

É mais ou menos assim que me sinto diante dessa encruzilhada...desse caminho fracionado q tu descreveste nesse texto interessante...Apesar de que os sentimentos nao sao inteiramente iguais, é sempre possível encontrar similitudes...Thanks for that.
O poema eh como eu agradeço...bjos.

Carlos Drummond Andrade
Por muito tempo achei que a ausência é falta.
E lastimava, ignorante, a falta.
Hoje não a lastimo.
Não há falta na ausência.
A ausência é um estar em mim.
E sinto-a, branca, tão pegada, aconchegada nos meus braços,
que rio e danço e invento exclamações alegres,
porque a ausência, essa ausência assimilada,
ninguém a rouba mais de mim.